>> Informação / Discursos / Almoço Homenagem Dr.Lázaro Faria - Discurso Presidente TRG

Almoço Homenagem Dr.Lázaro Faria - Discurso Presidente TRG

Versão para impressão PDF

 

Discurso proferido pelo Exmo. Sr. Presidente da Relação de Guimarães
no Almoço de Homenagem ao Presidente Cessante,
Juiz Conselheiro Dr. Lázaro Martins De Faria


Sr. Conselheiro Lázaro de Faria , primeiro Presidente da Relação de Guimarães,

Habituamo-nos até agora, nas festas que vínhamos celebrando, a esperar que chegasse a hora própria para vos ouvirmos falar sobre o desempenho na causa da justiça do Tribunal da Relação de Guimarães.

A exultação que sempre havia de transparecer das vossas palavras era, sistematicamente, a garantia de que a Relação de Guimarães estava a funcionar de acordo com as regras do exigível decoro e que, para tanto, havia sempre estes identificados responsáveis:
-As Ex.mas Juízas Desembargadoras e os Ex.mos Juízes Desembargadores que, diligentemente, se embrenhavam na sua função e, também, as Senhoras e os Senhores funcionários que, zelosa e competentemente, completavam o trabalho para que a boa administração da justiça se pudesse ultimar.

Era este, quase invariavelmente, o modo como o Sr. Conselheiro ajuizava as atitudes de todos quantos serviam e, felizmente, continuam servir, a Relação de Guimarães.
Com autoridade, que não é o mesmo que autoritarismo, não lhe escasseava, outrossim, o humanismo e a sensibilidade de poder apreender e julgar as circunstâncias que integram o rigor dos serviços.

Pude testemunhar o denodo com que eram defendidos os interesses da Relação de Guimarães, o brio como eram alcançados os propósitos que as circunstâncias iam tornando possíveis e a persistência que era posta na concretização das acções inerentes à conservação do seu espaço intelectual e físico.

A força das circunstâncias faz com que tenhamos de nos despedir do Sr. Conselheiro; e a festa que ora fazemos e que, vaidosamente, nos contenta é um acto de gratidão que nos enche de orgulho.

Duvidamos, porém, se gostaríamos de a fazer.
Se é verdade que temos motivos para comemorar - a ascensão ao cume da carreira é uma meta que engrandece quem assim é distinguido - também é certo que foi esta, embora esperada, ocorrência que determinou que de nós V.ª Ex.ª se tivesse de apartar.
Neste conflito de sentimentos vamos optar, aplaudir e pensar só no mérito que consubstancia a promoção do Sr. Conselheiro ao nosso mais Alto Tribunal, o sonho de todo o Magistrado, e, com ele, nos embrenhamos nesta volúpia.

A vossa passagem entre nós deixou um vincado rasto que assinala o caminho certo a prosseguir e que, futuramente, vai ser o trilho que vamos procurar pisar.
Fostes vós quem, tal qual os bandeirantes que tiveram o encargo de abrir novas veredas em terras ignotas e distantes, destes os primeiros passos no reconhecimento e construção do edifício do saber da Relação de Guimarães e, pelo modo como tudo foi erigido, tornastes mais fácil a sua consolidação e autoridade.

E porque "uma memória exercitada é um guia mais valioso do que o génio e a sensibilidade" (Friedrich von Schiller - dramaturgo e poeta 1759/1805), os hábitos que, despretensiosamente, se foram paulatinamente implantando, são práticas que ora continuamos a observar e com as quais queremos prosseguir, desta sorte adoptando um modo de homenagear o seu obreiro e ligando-os à história e à memória do seu primeiro Presidente.

Porque com ele nos queremos assemelhar, termino citando Virgílio (o autor do poema épico - Eneida): enquanto os rios corram, os montes façam sombra e no céu haja estrelas, deve durar a memória do bem recebido na mente do homem grato.

Estamos-lhe gratos, Sr. Conselheiro.

A forma de, humildemente, mostrar este nosso agradecimento, queremos que fique perpetuada nesta nossa oferenda, que pretendemos seja uma eterna recordação, simbolicamente representativa do muito apreço e dedicação que queremos, nesta hora, comprovar.

Agradecemos a todos os que aqui estão a simpatia de se terem associado à homenagem que fazemos ao primeiro Presidente da Relação de Guimarães; e o abraço que vou dar ao Sr. Conselheiro Lázaro de Faria é um acto que queremos que seja representativo da amizade de todos quantos com ele nesta hora o felicitam e que com ele se contentam.

Guimarães, 2 de Abril de 2008
António da Silva Gonçalves

 

Contactos da Relação de Guimarães

Largo João Franco, 248
4800-413 Guimarães